O papel no mundo e no Brasil

Estudos da década de 70, divulgados em uma série de textos da publicação Business Week, indicavam que o consumo de papel degringolaria até a década de 90, sobretudo em função das novas tecnologias.

A verdade está bem distante disso e o que se acompanha é o crescimento desse consumo ano após ano. Dados do Ibá, boletim da Indústria Brasileira de Árvores, apontam que em 2017 a produção de papel no país dobrou, atingindo o volume recorde registrado até então de 19,5 milhões de toneladas.

Em 2015, a AIIM (Association for Information and Image Management) divulgou uma pesquisa com dados sobre o uso de papel por organizações. A ideia era apresentar um panorama da evolução rumo à redução do uso do material.

Àquela época, 39% das organizações avaliaram que havia pouco conhecimento quanto às alternativas ao uso do papel. E ainda que possamos notar que evoluímos nesse sentido graças ao advento e popularização de diferentes ferramentas digitais, ainda não é o bastante.

Assim, é imprescindível lembrar que além da redução do consumo, a reciclagem do material é também uma meta a favor da preservação do meio ambiente e de todas as formas de vida.

A reciclagem do papel no Brasil
O papel é utilizado em diferentes produtos como publicações impressas e folhetos, além de embalagens feitas, por exemplo, de papelão. E basta ter isso em mente para ter noção da importância da reciclagem do material.

Ainda que tenhamos muito a melhorar, é positivo que o índice da reciclagem de papel tenha atingido a marca de 66,2% no país. Um recorde alcançado em 2017 e registrado pelo Ibá.

Em partes, essa conquista se deve à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que já apresentamos no blog da BH Recicla. A medida prevê a adoção de hábitos de produção e consumo sustentáveis por meio de práticas de reutilização e reciclagem de resíduos.

A importância da reciclagem do papel

Para deixar clara a importância de colaborar para a reciclagem do papel, separamos algumas curiosidades acerca do impacto da produção do material. Veja só:

A reciclagem de papel usa cerca de 80% menos energia do que o processo para produção do material;
Uma tonelada de papel reciclado evita a derrubada de 17 árvores e representa a economia de 26,5 mil litros de água e 2,5 mil litros de petróleo;
A poluição gerada pela reciclagem é menor do que a gerada pela produção de papel;
A produção de papel higiênico provoca a derrubada de 27 mil árvores por dia (esse tipo de papel não é reciclável, mas quando o processo é possível, contribui para contrabalancear esse impacto);
A reciclagem de papel gera empregos!
Faça a sua parte!

Como você já sabe, nosso país não possui um sistema de coleta seletiva de alcance nacional eficiente. A saber, em Belo Horizonte, a coleta seletiva atende a 36 de um total de 487 bairros.

Ainda que devamos cobrar os governantes, não podemos esperar melhorias de braços cruzados. Por isso, é importante saber como fazer a sua parte para a reciclagem do papel.

Você pode fazer a separação dos materiais, para dar a eles a destinação correta. Quase todos os tipos de papel são recicláveis, inclusive caixas de papelão e de leite. Não entram na lista: papel plastificado, papel celofane, papel carbono, papel parafinado, papel de fax, fotografias, papel toalha, guardanapos e papéis sanitários.

Para o processo, fica a dica que já mencionamos no post 5 mitos sobre a reciclagem que precisamos desmentir: amassar o papel pode prejudicar ou inviabilizar a reciclagem por quebrar as fibras do material.

Uma vez que a separação for feita, você pode levar os papéis a um Local de Entrega Voluntária (LEV), contatar um catador que atenda a sua região ou levá-lo diretamente à cooperativas de reciclagem de papel.

Gostou do post? Compartilhe-o com os amigos! E se você tem uma empresa, lembre-se de que a BH Recicla oferece o serviço de logística reversa que dá a destinação correta ao papel e vários outros materiais.

Fonte: https://bhrecicla.com.br/blog/tudo-sobre-reciclagem-papel/